Em entrevista a rádio EBC/Viva Maria, a ativista Jenice Pizão fala das barreiras enfrentadas pelas mulheres que vivem com HIV/AIDS. Ainda, reforça a vulnerabilidade destas mulheres às questões da violência. Para marcar os 21 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra as mulheres e, o Dia Mundial de Luta contra o HIV/AIDS, o MNCP lançou e Card, que figura essa matéria, com a seguinte inscrição:

“Não existe mulher que gosta de apanhar, o que existe é mulher humilhada demais para denunciar, machucada demais para reagir, com medo demais para acusar e pobre demais para ir embora!”

Este, tem repercutido nas redes sociais e vem sendo tema de várias lives, entrevistas e reuniões que as cidadãs positHIVas tem participado e realizado.

Acompanhe o bate papo no player abaixo:

Jenice Pizão, ativista e uma das fundadoras do Movimento Nacional das Cidadãs PositHIVas.  Atualmente participa do Colegiado do MNCP com representação em Campinas/SP.

Entrevista de Jenice Pizão

by Rádios EBC